Não erre o foco! Frequência x Evolução

O alicerce do Método Gracie Barra inclui aspectos como o Currículo GB e a Estrutura de Aulas GB. A partir daí, temos outros aspectos bastante concretos e práticos, incluindo o sistema de faixas, os cartões de frequência ou, mais recentemente, o GB APP.
Porém, muitos alunos quando têm consciência do funcionamento delas, se esquecem do principal foco nos tatames: a EVOLUÇÃO
(dentro e fora da área de treinamento).

No sistema faixas encontramos as regras mínimas de graduação que servem como norte para o professor avaliar e acompanhar o desenvolvimento do aluno. Hoje, com o GB App, os alunos têm acesso as informações que apresentam a media da frequência, data de graduação entre outros. Mas, será que o crescimento no jiu-jitsu depende exclusivamente de quantas presenças se tem durante a semana?

GB APP – versão aluno

A questão é que alguns praticantes se prendem a ideia de que a frequência mínima é o suficiente. Vale sempre lembrar que a evolução e o desenvolvimento no Jiu-Jitsu vão muito além do que fazer o mínimo. Se o foco da sua jornada na arte suave não estiver no desenvolvimento, todo o resto será prejudicado.

“O tatame nunca mente: Você vai ter o que você dá. Se você dá a metade de si mesmo, você vai ter metade de si.”

(PCI6 Revisitado)

Independente de qual seja a ferramenta utilizada na sua escola de origem, não sei deixe levar pelo calor da graduação. Lembre-se de manter o foco no treino, naquilo que você aprende com ele e todo o resto, naturalmente, vai chegar. Afinal, não é o aluno que pede a faixa. É a faixa que pede o aluno.
Bons treinos!

As 4 Resoluções de Ano Novo mais comuns no JJ

Para muitas pessoas o ano só começou agora. Porém, é na virada do ano que todos traçam novas metas, muitas vezes, com o intuito de realizar aquilo que não conseguiram cumprir no ano que passou. Entre os alunos(as) do Jiu-Jitsu GB isso não é diferente. Afinal, é fundamental e necessário ter objetivos dentro dos tatames também.

Reunimos as 4 resoluções de ano novo mais comuns entre os praticantes de jiu-jitsu. Antes de qualquer passo e, com o objetivo de não se auto boicotar durante o ano, trace uma estratégia para cumprir todas as suas metas para 2019. O top 5 das promessas no Jiu-Jitsu ficou assim:

1- TREINAR MAIS: Aumentar a frequência nas aulas e treinos durante a semana é um dos maiores desafios. Na maior parte das vezes, o trabalho é o que impede um aluno(a) de treinar mais vezes. Se você deseja aumentar a sua rotina de treinos, experimente os primeiros horários da manhã na sua escola. Sacrificar algumas horinhas a mais de sono, poderão ajudá-lo a treinar mais vezes durante a semana. Por exemplo, segundas, quartas e sextas treinar à noite e terças e quintas pela manhã.

2- PARTICIPAR DE UM CAMPEONATO: Sim, essa é a promessa mais comum dentre todas as resoluções. Porém, não tão simples de cumprir. Afinal, para entrar em um campeonato é importante ter foco, disciplina e determinação mesmo que não se trate de um atleta. Se você quer se testar em uma competição pela primeira vez, busque por um evento do órgão oficial do seu estado (federação).

3- SAIR DA ZONA DE CONFORTO: É normal que depois de algum tempo se caia na zona de conforto, ainda mais quando você está acostumado com apenas um tipo de estilo de luta, por exemplo: jogar apenas por baixo na guarda aberta. A melhor forma de sair do “conforto” é buscar sempre aprimorar os pontos que você se sente mais vulnerável. Evoluir como um tudo o ajudará a fazer sparrings ou treinos de maior nível técnico.

4- TROCAR DE FAIXA: Por diferentes razões não são poucas as pessoas que param de treinar e encontram no início do ano, a oportunidade de voltarem aos treinamentos. Esse “vai e volta” atrapalha o progresso do aluno e naturalmente a sua graduação. Se em 2019, seu objetivo é dar mais um passo rumo à Faixa Preta, lembre-se sempre dos benefícios do Jiu-Jitsu trouxe para a sua saúde física e mental.

E ai, algum desses itens entrou na sua lista? Senão, compartilhe com a gente o que você colocou como meta para 2019 na arte suave.

A primeira impressão é a que fica

Muitas pessoas antes de conhecerem ou entrarem na Gracie Barra já viveram algum tipo de experiência nos tatames. Infelizmente, quando essa pequena vivência está diretamente relacionada ao bjj, grande parte desses indivíduos leva consigo uma memória negativa.

A Gracie Barra com a metodologia de ensino desenvolvida pelo Mestre Carlos Gracie Jr, consegue dissipar as más memórias desses futuros estudantes GB – que em nossas escolas encontram o lugar ideal para retomar a caminhada. Por esse e muitos outros motivos, o cuidado com a apresentação sobre o que somos faz toda a diferença.

Explicar ao seu potencial aluno sobre os programas de ensino GB é apenas uma parte daquilo que ele precisa saber. A pessoa que busca por uma escola de artes marciais, não a procura só pelo produto oferecido, mas, principalmente, por desejar encontrar um lugar onde seja aceito independente de quais sejam as suas limitações. Não são poucos os relatos de alunos(as) que em outras academias, ao invés de aprenderem, serviam de sparing para os mais antigos ou não eram bem tratados por serem novatos entre outros.

A abordagem da filosofia GB diante de quem está no balcão da sua unidade buscando por simples informações sobre preços, é que vai fazer a diferença entre um simples “obrigado” e um “gostaria de marcar uma aula experimental”. Deve-se sempre ressaltar o espírito de cooperação e irmandade entre os membros da Gracie Barra, independente de qual seja a graduação.

É o espírito de família cultivado em mais de 700 unidades pelo mundo que permite a crianças, adultos, jovens e idosos a encontrarem na Gracie Barra o local ideal para aprenderem e praticarem o verdadeiro brazilian jiu-jitsu.

29494631453_a9b55a53d5_z

Abstenha-se da individualidade e cresça com o coletivo!

Pisar no tatame de uma escola Gracie Barra é experimentar a sensação de querer sempre voltar para aprender mais. Ao ingressar no fantástico mundo do jiu-jitsu GB, um aluno novato (ou não) estará empolgado e ansioso para entender o máximo de técnicas possíveis, para logo poder participar dos programas mais avançados – assim como os treinos livres e, por fim, dos campeonatos. Porém, junto com a explosão de sentimentos de um iniciante, vem muitos outros fatores que precisam ser trabalhados para se manter um ambiente de treino saudável, dentre eles: a individualidade.

Professores e instrutores possuem a missão de guiar seus alunos(as) por toda jornada, mas, principalmente, nesse primeiro encontro com o jiu-jitsu. Ensinar que na Gracie Barra todos fazem parte de algo que vai além das individualidades é um exercício diário. Toda a ansiedade em torno do “aprender logo” pode fazer com que o aluno(a) em questão dê menos importância ao lado de dentro de si e, infelizmente, não enxergue os ensinamentos que seus colegas de treinam dão com atitudes.

Um olhar menos atento as ações que ilustram a prática da filosofia de vida Gracie Barra, pode prejudicar o andamento de uma aula ou sparring. É nesses momentos que as emoções afloram e por vezes, podem fazer de um treino específico, por exemplo, um momento de frustração. Para evitar tais situações, as mensagens de final de aula funcionam como uma importante ferramenta para transmitir a todos alunos(as), independente de graduação, os valores que fazem da GB uma família preocupada em crescer dentro e fora dos tatames.

A missão Jiu-Jitsu Para Todos, vai além de nos dar um senso de direção. Ela une cada um dos membros da GB, nos oferecendo um mesmo propósito e conjunto de princípios que ajudam a definir quem somos enquanto equipe e como pretendemos fazer a diferença em nossas escolas, comunidades, países e no mundo todo.

GB Blog: Um bom professor é só aquele que luta campeonato?

bomprofessorSão diversos os pontos a serem analisados por um futuro praticante de jiu-jitsu ao procurar por um lugar para treinar. É comum que essa pessoa procure – além de uma equipe conhecida – pelo nome dos professores no âmbito desportivo. Porém,  será que todo atleta é necessariamente um bom professor? Todo professor deve ser avaliado pelo número de vezes que apareceu em campeonatos?

Há uma frase que diz que, “Nem todo treinador é um bom atleta e que nem todo atleta é um bom professor”. As medalhas e títulos conquistados no âmbito desportivo, nem sempre garantem uma boa didática na hora de lecionar. É comum – e necessário, que haja uma busca sobre o instrutor com quem seu filho(a) ou você mesmo, vá começar a treinar. Afinal, este tipo de pesquisa ajuda a saber sobre com quem se estará tendo uma convivência diária e o que esperar dela.

No caso das escolas Gracie Barra, todos os professores e instrutores fazem o curso do Programa de Certificação de Instrutores GB. Por meio dessa valiosa ferramenta, todos os nossos instrutores(as) aprendem a como aplicar a metodologia de ensino Gracie Barra, como reduzir situações de risco nas aulas e durante os treinos, tratar pessoas e crianças e, consequentemente, ensinar um jiu-jitsu de excelência.

GB Blog: Joelho na barriga: Como posicionar?

joelhoO jiu-jitsu é uma arte rica em técnicas e, principalmente, em detalhes. São eles que fazem a diferença na hora do treino ou de uma luta na competição. Garantir os pontos, estabilizar as posições podem fazer uma grande diferença no final. No blog de hoje, vamos abordar o joelho na barriga – uma das imobilizações mais comuns na hora de ganhar os 2 pontos no placar.

Quando bem posicionado, a pressão sobre a barriga do oponente o faz perder o gás e, consequentemente, leva a quem está por cima a ganhar os pontos. Mas será que você vem se posicionando de maneira correta nesta situação?

Durante os treinos é comum vermos um colega tentar entrar com joelho e não conseguir. Isso pode estar ligado ao lugar que ele o posiciona. O correto é colocá-lo no centro da barriga, pressionando, fazendo o domínio do joelho e da gola do oponente e mantendo o corpo posturado (coluna ereta). Desta maneira aumenta-se a pressão e diminui a mobilidade de quem está embaixo. Mas e a galera que atravessa o joelho por cima, está errado?

Claro que não. A diferença do joelho diretamente colocado sobre a barriga, para o atravessado está na pressão e objetivo de quem está por cima. Atravessá-lo, colocando a ponta do joelho no chão e mantendo a parte da frente do tornozelo em total contato com o corpo do oponente, ajuda a conquistar a montada (4 pontos) com mais facilidade.

Dúvidas sanadas? Agora vista seu kimono e corrija os detalhes. Afinal, refinar a técnica é aperfeiçoar seus conhecimentos, melhorar nos treinos e chegar mais perto da vitória.

BONS TREINOS!